Página Principal Notícias Agenda Painel Perfil Newslleter Newslleter
Notícias  
Trem de Levitação Magnética poderá circular na Ilha do Fundão
SuperestruturaMAGLEVEletromanetica
Foto de um Maglev em operação na Alemanha.

A Ilha do Fundão poderá ganhar o primeiro trem de levitação magnética desenvolvido no Brasil. O projeto inicial, que requer R$ 4,1 milhões para ser implantado, foi apresentado recentemente à diretoria do BNDES pelo professor da COPPE, Richard Stephan, coordenador do estudo. O veículo que dispensa a utilização de trilhos e rodas foi projetado pela equipe do Laboratório de Aplicações de Supercondutores (LASUP) da COPPE e da Escola de Engenharia da UFRJ para percorrer um trecho de 114 metros durante a fase de teste e transportar até seis pessoas por módulo. A meta, até 2010, é ampliar para 3 km o trajeto na Cidade Universitária e aumentar a capacidade de transporte para 254 passageiros, por viagem, do Hospital Clementino Fraga Filho ao prédio da Reitoria, a uma velocidade de 70 km/h, similar a do metrô que circula no Rio de Janeiro.

O trem, batizado de Maglev-Cobra, será composto por módulos de 1 metro de comprimento. Segundo o professor Richard, a composição em módulos facilitará a adequação do tamanho do veículo à demanda, podendo se locomover em curvas de até 30 metros de raio. A proposta é substituir parte da frota de ônibus que circula no campus da cidade universitária, com a vantagem de ser mais rápido e não poluente. “Esta será uma oportunidade para mostrar as pessoas que o veículo é seguro, eficiente e pode vir a ser uma boa alternativa para centros urbanos”, ressalta o professor.

Vantagens da tecnologia

VistaInternaMAGLEV
Vista Interna do Maglev projetada pela equipe do LASUP.

O baixo custo do veículo, incluindo a implantação do sistema, é a principal vantagem sobre outros meios de transporte similares. Enquanto a construção de um metrô subterrâneo no Rio de Janeiro tem o custo de R$ 100 milhões por km, os pesquisadores calculam que o sistema de levitação poderá ser implantado por cerca de R$ 33 milhões, ou seja, um terço deste valor. Além do baixo custo, o projeto elaborado na COPPE possui um sistema de articulação que, pelo fato de não ter portas separando os vagões, como no trem tradicional, permite o livre trânsito de passageiros do início ao fim do veículo, facilitando a distribuição interna de passageiros. Outra vantagem do MAGLEV é que as articulações entre os módulos o tornam mais flexível, facilitando sua performance nas curvas. O professor Richard explica que os trens com rodas e trilhos que operam em alta velocidade como o trem-bala, que chega a fazer 350 km/h, não conseguem trafegar em rampas com inclinação superior a 4%, pois dependem do atrito entre as rodas e os trilhos para sua locomoção. Já o Maglev, que utiliza motor linear, pode operar com inclinações de até 15%, limitada apenas pelo conforto dos passageiros.

Comparado a outros veículos, o trem elaborado pelos pesquisadores é mais econômico em termos de energia. “Só este item já seria suficiente para viabilizar a construção das modernas linhas para circulação do Maglev-Cobra”, afirma o pesquisador do Laboratório de Estudos e Simulações de Sistemas Metroferroviários (LESFER), do Programa de Engenharia de Transportes da COPPE, Eduardo Gonçalves David, um dos integrantes da equipe do projeto. Segundo Eduardo, o consumo de
TremLevitacaoUrbano
Refrigeração do Maglev-cobra poderá ser concentrada no ponto de embarque e no interior do veículo.
energia elétrica estimado para o Maglev-Cobra será de 25 kJ/pkm (quilo-joules por passageiro-quilometro – unidade que mede a quantidade de energia gasta para transportar cada passageiro a cada quilômetro). Para se ter uma idéia, o consumo de um ônibus comum é de 400 kJ e o de um avião é de 1200 kJ. Com isso, em uma viagem de avião entre Rio de Janeiro e São Paulo, a produção de dióxido de carbono (CO2) média para cada passageiro é de 98 kg. “Se a viagem de trem gerasse crédito de carbono haveria uma razoável fonte de financiamento para o setor, uma vez que o Maglev, no mesmo trajeto, produziria apenas 2,6 kg de CO2”, diz o pesquisador.

“O trem de levitação é sem dúvida um dos veículos mais eficientes em termos de energia. Na nossa proposta, a refrigeração para os passageiros do trem é concentrada basicamente no ponto de embarque e no interior do veículo. O oposto do que acontece nos metrôs de São Paulo e Rio de Janeiro, por exemplo, que para proporcionar bem-estar ao usuário consome grande quantidade de energia, devido à dispersão do ar para áreas que dispensam refrigeração, como os túneis. Isso certamente implica em grande desperdício”, ressalta Richard.

MAGLEV: uma alternativa de transporte entre Rio e São Paulo

InclinacaoMAGLEV
O Maglev Cobra, imagem superior, permite incliinação de 15%, contra 4% dos trens convencionais.

O projeto do Maglev também poderá ser utilizado no trajeto entre o Centro do Rio de Janeiro e o de São Paulo, levando apenas 1 hora e 30 minutos, quase o mesmo tempo gasto por um avião. Segundo Eduardo, para interligar as duas cidades bastaria construir uma via elevada para o Maglev, aproveitando a faixa de domínio da Rodovia Presidente Dutra ou da ferrovia MRS Logística, com custos bem menores do que o projeto do trem-bala, baseado em contato roda/trilho. O pesquisador explica que o Maglev dispensa a construção de túneis para superar limites geográficos, como a Serra das Araras, onde os trens precisam trafegar em rampa de no máximo 2% de inclinação, enquanto o trem de levitação, devido ao motor linear, aceita rampas superiores a 10%. “Mas o nosso foco atual é o transporte urbano à baixa velocidade. Já para ligar duas metrópoles o recomendável, no momento, seria um trem de levitação eletromagnética capaz de alcançar 480 km/h, como o Maglev Transrapid que está em operação na China desde o início de 2003”, afirma Eduardo.

TrilhoPrototipoLASUP

O Maglev também pode vir a ser oportuno para trens regionais, como no caso da revitalização da Ferrovia de Petrópolis, a primeira linha férrea do Brasil. Pensando nessa possibilidade, os pesquisadores projetaram o trem experimental na UFRJ com o mesmo grau de inclinação do antigo trecho de cremalheira da Estrada de Ferro Príncipe de Grão Pará, que era de 15%. Para se viajar do centro do Rio de Janeiro para o centro de Petrópolis, viabilizando a utilização da linha da Serra da Estrela inaugurada em 1884 por D. Pedro II, a ferrovia poderá recuperar um trecho de linha de apenas seis quilômetros, que se encontra desativada. “O Maglev poderá transportar até o interior de Petrópolis os passageiros que hoje só conseguem chegar até Raiz da Serra, utilizando a linha de trem convencional”, explica Eduardo.

Tecnologia testada com sucesso em protótipo construído na universidade

O Trem de Levitação Magnética começou a ser desenvolvido em 1998 pelos pesquisadores do Laboratório de Aplicações de Supercondutores (LASUP) da COPPE, em parceria com a Escola Politécnica e com o professor Roberto Nicolsky, do Instituto de Física da UFRJ. A tecnologia é baseada na formação de um campo magnético de repulsão entre os trilhos e os módulos de levitação (pastilhas supercondutoras que substituem as rodas e são compostas de ítrio, bário e cobre). Para criar este campo magnético, o que faz o trem levitar, os cientistas resfriam os supercondutores a uma temperatura negativa de 196º C, utilizando Nitrogênio líquido.

TremLevitacaoNovo
Protótipo do Trem de Levitação do LASUP.

Os pesquisadores montaram no laboratório da COPPE um protótipo do veículo e um trilho de 30 metros de extensão para testar a tecnologia. O princípio da levitação desenvolvida pelos pesquisadores brasileiros é baseado no efeito de exclusão de campo magnético do interior dos supercondutores (chamado Efeito Meissner). Este tipo de exclusão só pôde ser explorado devidamente a partir do final do século XX, com o descobrimento de novos materiais magnéticos e pastilhas supercondutoras de alta temperatura crítica.

Outros países também estão utilizando estes novos supercondutores em suas pesquisa para trens de levitação. Quando a Alemanha e o Japão iniciaram seus programas nesta área, a tecnologia utilizada no protótipo brasileiro ainda não estava disponível. “O trem de levitação é um meio de transporte não poluente, rápido, seguro e alimentado fundamentalmente por energia elétrica. Além disso, o Nitrogênio é um meio refrigerante que custa menos de R$ 0,30, o litro, e não polui o ambiente”, ressalta o professor Richard.

Enquanto o projeto Maglev-Cobra aguarda financiamento, o professor está solicitando apoio da FAPERJ para integrar o protótipo em escala reduzida ao Espaço COPPE Miguel de Simoni, que recebe visitas de escolas e do público em geral. “A intenção é ampliar a divulgação da tecnologia para a sociedade. Queremos mostrar às pessoas que o trem que levita não é um projeto futurista e distante, mas uma tecnologia disponível que, em breve, poderá vir a fazer parte do seu dia-a-dia”, conclui Richard.

[13/08/2007]
  Seção - Notícias
Buscar
Newsletter
  Cadastre-se em nossa Newslleter
Fale Conosco Clipping Vídeos Clipping Impressos
Piatam
   Enviar esta Matéria.   Imprimir esta Página    Topo da Página!    
Página Principal Noticias Agenda Painel Entrevistas Perfil Newsletter Livros Fale Conosco
Centro de Integração de Serviço de Informática